05/04/2012

Vocabulário Caipira (palavriado)

O Brasil tem uma riqueza cultural fantástica. Cada região do país e cada estado tem muito a contribuir com a cultura popular.

O caipira tem uma vida simplória, sua falta de instrução, são fatores hereditários que tornaram-no uma figura característica do nordeste e interior paulista. Mas como qualquer tipo humano, ele possui belíssimas tradições que chegaram até nós através de gerações.
Acreditamos que nas festas juninas o caipira aparece como uma figura deturpada, o que tornou-o extremamente cômico, próximo de um palhaço, talvez por pura falta de conhecimento da verdade que representa sua figura. A imaginação jocosa não vê as qualidades e virtudes que possui, frente as condições desfavoráveis do seu viver.

Sobre o termo caipira, temos a seguinte definição:

O termo caipira (do tupi Ka’apir ou Kaa – pira, que significa “cortador de mato”), é o nome que os indígenas guaianás do interior do estado de São Paulo deram aos colonizadores brancos, caboclos, mulatos e negros.

O termo caipira teve sua origem e é utilizado com mais frequência no Estado de São Paulo. Em Minas Gerais é capiau (palavra que também significa cortador de mato), na região Nordeste, matuto, e no Sul, colono.

O dialeto caipira é um dialeto da língua portuguesa falado pelo caipira no interior do estado de São Paulo, no Brasil, e em parte dos estados do Paraná, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais e Goiás. Difere acentuadamente do idioma padrão brasileiro em sua estrutura fonológica

Adiverti : Não tem nada a ver com advertir. Na verdade é o mesmo que divertir. No sítio se fala: “Nóis se adiverti com os bailão”.

Alói : É o mesmo “alui”, mas o caipira às vezes diz: “Ele não alói do lugar”.

Aluí : O caipira usa muito esta expressão sempre que se refere a algo que não se mexe, ou até com pessoas. Você pode ouvir: “Fiz toda força pra rancá o toco, mas nem aluiu”. Ou então: “Minha sogra fica aqui em casa mais de ano. Quando eu penso que ela vai embora, ela nem alui”. Aluí é mexer, mover-se.

Antonte : É quando foi a dois dias. Na cidade se fala anteontem.

Argudão : É aquela planta que chama-se na cidade de algodão.

Arve : Na cidade e nos dicionários é citado como árvore. No sítio é arve mesmo.

Bacuri : criança recém-nascida

Baita: Grande. Na roça, quando vai dizer que o porco é grande fala-se “é um baita de um porco”.

Bão : É quando o negócio é bom. Na vida do caipira não existe nada bom. Tudo é bão.

Bestagem : bobagem

Bico de luiz : Ponto para se colocar uma lâmpada. Mas o capiria também refere desta forma à luz, ou à lâmpada, colocada em algum lugar e que pode ser acesa.

Boi do cu branco : Indivíduo que faz tudo para ser diferente. Todo mundo faz de um jeito, e ele faz ao contrário, só pra aparecer.

Bosta da égua : É uma expressão utilizada quando se quer ignorar alguma pessoa, mostrar indiferença. Se diz: “Bosta da égua pra ele”.

Braba : Usa este termo quando a mulher é brava: Éla é muito braba”, como se usa no masculino, brabo. Mas é muito usada quando se refere à pinga ou pimenta muito forte: “Essa pinga é braba, sô”. “A pimenta malagueta é muito braba”.

Brabo : Este é um termo muito usado em algumas situações. A primeira se diz quando alguém ou animal é bravo: “Aquele cachorro do Tonho é brabo”. Quando algo é muito ruim: “Tá brabo o carro do Jão”. Quando algo de comer é muito forte: “Esse moio com pimenta tá muito brabo”.

Caboco : pessoa muito simples

Campiá : procurar

Capado : No sítio capado sempre é porco que se mata depois de ficar um tempo na ceva. Antes de colocar o porco para engordar, ele é castrado, que no sítio é capado. O caipira não castra, ele capa. Assim todo porco grande é capado.

Capitar : É o mesmo que capital.

Chapa : No linguajar caipira chapa é dentadura. Também é conhecida como “perereca”

Chegá : É o mesmo que chegar.

Chick no úrtimo : Quando algo é muito bom. Esta expressão é bem recente. Fala-se: “A festa do peão está chick no úrtimo”.

Coeio : É aquele animal que é chamado na cidade por coelho.

Corgo : É o mesmo que córrego. O caipira só vai pescá no corgo, nunca no córrego.

Corguinho . É um corgo pequeno. Quando tem um fiuzinho de água correndo, aquilo é um corguinho.

Cortá-chão : Ir embora. Quando o capiria que ir embora ele diz: “Vou cortá-chão”

Cu da maritaca : É uma situação de indignação ou até de revolta. Imagine um carro encravado. O caipira desce do carro, olha bem e lamenta: “É o cu da maritaca”. Ou então ele ouve que a chuva vai demorar. Ele reclama: “É o cuda maritaca”.

Cuisso : É o mesmo que “com isso”. Diz-se: “Não tenho nada cuisso”

Cum : É o mesmo que “com”

Cuzinha : O mesmo que cozinha

Dasveis : às vezes

De banda : de lado

Deixar debaixo do balaio : É alguém que deixou alguém esperando. O caipira fala: “Fiquei duas horas esperando e você me deixou debaixo do balaio”. Pode ser também quando se quer ganhar tempo com alguma situação. Aí é assim que se fala: “Vamos deixar esse negócio debaixo do balaio, depois a gente conversa e acerta”. Coisa que está pra acontecer.

Di : dei

Escangaiado : quebrado, destruído

Estorva : atrapalha

Fazê mar : É quando um rapaz desvigina uma menina, ou engravida-a. Então se diz: “O fulano fez mar pra menina”.

Fazeno : O mesmo que fazendo.

Festero : É quem faz festa, quem promove uma festa. No sítio tem sempre alguns bons festeros, que estão sempre prontos para animar e fazer festas

Foia : O mesmo que “folha”.

Figo : Aquele órgão do corpo humano que zanga quando a gente toma muito mé.

Fígado : é aquela carne do boi que a gente come em bife.

Forga : É o mesmo que folga. O caipira diz: “Amanhã é feriado e eu vô tá de forga”.

Forgo : Pronuncia-se “fôrgo”. É o mesmo que fôlego. Quando o caipira ouve um cantor que estica muito a nota, ele diz: “Esse cator tem forgo...”

Foro : A pronúncia é “fôro”. Um exemplo: “Eles foro imbora da cidade”. Seria o mesmo que “foram”.

Fumo : Aqui pode ser duas coisas. Se o caipira quer pitá, ele tem sempre um fumo bão. Mas se ele vai contar alguma coisa, então ele fala: “Nóis fumo pra cidade, antonte”. Neste caso é o mesmo que fomos.

Função : É quando o caipira faz um festa em casa e convida todo mundo. Esta festa é chamada de função.

Gaitada : risada estridente

Hom i : É o mesmo que homem.

Imbora : Fala-se quando a pessoa vai para algum lugar. “O rapaz foi imbora pra capitar”.

Incunvidado : É a pessoa que é convidado. “Eu fui incunvidado para a festa de aniversário”.

Inducação : É igual a educação. Quando a pessoa não é educada, ela é “senducação”.

Ingraçado : No dicionário o termo é grafado como engraçado. Coisa que tem graça.

Inguar : É o mesmo que igual.

Jão : No sítio não se diz João, mas sim, Jão.

Luiz : O mesmo que luz. Para não confundir com o nome próprio, a entonação está no “u”. Seria “Lúiz”.

Meia-pataca : insignificante

Memo : Caipira não fala “mesmo” de jeito nenhum. Ali é sempre “memo”.

Mii : O caipira nunca planta milho, mas, mii. Ou seja, milho pra caipira é mii.

Mió : Igual a melhor. O caipira usa esse termo também quando algo é ainda melhor. Ele diz: “Esse aqui é mais mió que aquele”.

Modequê : qual a razão, porque

Mortandela: O caipira não fala mortadela, mas sim, mortandela.

Muié : É o mesmo que mulher.

Nhô : tratamento respeitoso de senhor

Nóis : O mesmo que nós.

Onti : Quando se refere ao dia anterior. O mesmo que ontem.

Oreia : O mesmo que orelha.

Orná : combinar

Ovo atravessado : É quando alguém está mau humorado, nervoso. Então diz que fulano está com o ovo atravessado (ou ovo virado) hoje”.

Paiero : É aquele cigarro de palha que o caipira não abre mão. O caipira gosta de fumar um “paiero” dos bons.

Paieta : É chapéu de palha. O caboclo, quando vai na vila comprar chapéu para trabalhar, pede uma “paieta”. Mas é só chapéu de serviço. Pra sair é outro chapeu.

Pau da berada : Quando a pessoa está em uma situação ruim. Pode ser com saúde, mas normalmente usa-se muito quando alguém está numa situação financeira muito ruim. Quando alguém está quase quebrado financeiramente, é comum dizer: “O fulano está no pau da berada

Pé de boi : pessoa decidida, muito trabalhadora

Perereca : É o mesmo que dentadura. Conhecida também como chapa.

Pescá : É aquele esporte de se pegar peixe. Na cidade se fala “pescar”.

Picá a mula : Ir embora. Igual “cortá-chão”. Usa-se muito quando tem que sair depressa, por algum motivo. Ele diz, diante de uma confusão: “Eu vou picá a mula”.

Pranta : É o que se chama na cidade de “planta”.

Prantar : É quando o caipira vai trabalhar e começa a “plantar” a lavoura. É o mesmo que plantar.

Questã : É o mesmo que questão. O caipira fala: “A questã é o seguinte...”. briga jurídica; pergunta

Rancá : É o mesmo que arrancar. O caipira ranca toco, nunca arrancou nada.

Rei : Utensílio que a gente usa para bater na anca do cavalo, para incitá-lo a andar.

Réiva : raiva

Reis : A carta do baralho com a letra "K".

Relá : Na cidade, relar (o mesmo que relá) é apenas tocar, mas no sítio, relá tem um significado muito maior. Vai além de um simples toque. Normalmente vem acompanhado de mão. Ficando uma única expressão “relá a mão”. É comum o caipira dizer: “Quem relá a mão nessa arve, morre”.

Sacudido : pessoa decidida, capacitada e trabalhadora

Senducação : Quando alguém não tem educação. É comum ouvir, no sítio: “Aquele rapaz é muito senducação”.

Suzim : sozinho

Tá : O mesmo que “está”.

Táio : talho, corte

Tô : Igual a “estou”.

Tôco : pessoa muito rude, pedaço pequeno de um tronco

Trezontonte : É quando a coisa aconteceu faz três ou quatro dias. O caipira diz: “Eu te vi faiz trezontonte, fazendo compra na vila”.

Truxe : O caipira não fala trouxe, mas sim truxe. Ele diz: “Eu truxe um canivete dos bão”.

Úrtimo : É o mesmo que último.

Vará : É o mesmo que atravessar, mas tem mais uma interpretação. Os meninos, quando chegava circo na cidade, eles varavam, ou seja, passavam, escondidos, debaixo da lona para assisitirem o espetáculo de graça. O garoto falava para o outro: “Vamos vará o circo?”. Na primeira interpretação, vará é atravessar algo. O caipira diz: “O tiro varô o peito do home”.

Varado de fome : Se diz qundo está com muita fome. O caipira diz: “Estou varado de fome”.

Varti : Não existe um Valter na região. É tudo Varti. Pode ser com “W” ou com “V”, sempre vai ser Varti.

Véio : No sítio não tem velho, só véio. Usa-se também este termo no feminino: “Essa muié é muito véia pro cê”.

Virá com o arreio pra barriga : Quando alguém fica muito nervoso. No sítio se fala: “Quando a minha muié ficou sabendo das minhas puladinhas, ela virou com o arreio pra barriga”. É uma comparação com a situação do peão, que andando à cavalo, o arreio roda por não estar muito bem preso, e vira para a barriga, derrubando o peão.

Xicra : xícara

Zambeta : que tem a perna torta

Zarôio : caolho

Zóio : É o mesmo que olho. Tem uma brincadeira que se faz no sítio, dizendo : Zóio, zoreia, zunha e zovido”, referindo-se a “olho, orelha, unha e ouvido”.

Zorêia : orelha

Zunhada : unhada, arranhar com as unhas


Um artista que muito tem contribuído para a divulgação da cultura caipira e sertaneja: é o paulista , ator, compositor, violeiro e contador de "causos " Rolando Boldrin.

Um comentário:

Quer comentar? Oba, seja bem-vindo! Sua opinião é muito importante!